Resenha: O caminho para casa

7 comentário(s)


“Tudo estava entre eles naquele instante – o bom, o excepcional, o triste, o terrível.”

É impossível ficar indiferente quando se termina a leitura de O caminho para casa. Ele é um livro completamente envolvente, capaz de provocar mudanças em nosso interior, se estivermos de coração aberto.
Inúmeras vezes a trama pode nos levar às lágrimas – e, em certas situações, até aos soluços! E, ao final, a sensação que fica é de leveza e renovação.
Lexi é uma jovem órfã que, aos quatorze anos, descobre ter uma tia-avó viva e distante. Sem ter tido sucesso em suas adoções ao longo da vida, devido aos vícios da mãe, Lexi muda-se de cidade para viver com a tia Eva, que a recebe com muito carinho.
Logo no início das aulas na nova cidade, Lexi aproxima-se de Mia, uma garota que, assim como ela, estava isolada em um canto da escola, com um livro nas mãos e sem amigos ao redor. Elas instantaneamente percebem ter afinidade e a amizade começa a crescer conforme os dias passam e a narrativa se desenvolve.
Mia, por sua vez, vem de uma família rica e aparentemente perfeita, com a mãe zelosa, o pai divertido e o irmão gêmeo que faz tudo por ela.

“A questão não é estar na mesma escola, nem na mesma cidade ou no mesmo quarto, Lexi. A questão é estar ‘juntos’. O amor é uma escolha. Eu sei que você é jovem, mas isso não significa nada. Você acredita no que sente? É isso que importa” (Pág. 109).

O livro fala de amizade, amor, família, perdão e recomeço. A mãe dos gêmeos tem grande destaque durante toda a narrativa, sendo uma mulher extremamente preocupada com os filhos e controladora, que acaba passando por um momento terrível e tem que fazer escolhas dificílimas.
A relação de Mia, Lexi e o irmão gêmeo da primeira, Zach, é extremamente bem construída, levando a um clímax aterrorizante, divisor de águas na narrativa, e do qual não darei detalhe algum para não estragar a surpresa dos leitores. Gostaria apenas de salientar que a história começa com eles aos quatorze anos, mas os anos se passam ao longo da trama e chegamos a conhecê-los na fase adulta.

“Uma sensação curiosa tomou conta de Lexi. Era como o leve bater de asas de um passarinho, uma emoção tão estranha que ela não a reconheceu de imediato. Esperança” (Pág. 15).

Em uma noite que parecia como qualquer outra, a vida de todos os personagens da história muda, levando o livro a outro nível, cada vez mais profundo e arrebatador.
As reviravoltas e surpresas são muitas e chegam a me faltar palavras para descrever com justiça todos os sentimentos que a leitura de O caminho para casa pode provocar.
Contudo, se você, por algum motivo, não gosta de chorar em livros, provavelmente deve esperar por um momento mais adequado para ler este, uma vez que as lágrimas são inevitáveis.

“Ela não podia ficar muito tempo ali. Se alguém a visse naquela estrada solitária, a notícia correria, e as pessoas se preocupariam com ela. Ainda assim, ela fechou os olhos só por um momento e se lembrou daquela noite, tanto tempo atrás, quando a chuva se transformou em cinzas...” (Pág. 350).

Em alguns pontos, para não serem apenas elogios, a leitura pode ser um pouco previsível, mas em nenhum momento ela perde o brilho. Seja no começo mais ameno, com a construção dos relacionamentos, ou na segunda parte completamente eletrizante e dramática, o livro como um todo é um tesouro, que não deve passar despercebido aos amantes da boa leitura.
Eu passei a amar e a compreender cada um dos personagens, e foi difícil me despedir quando virei a última página.

Trecho: “O tempo não havia fechado as feridas. Que clichê de merda, este, isso sim! O tipo de coisa que as pessoas de sorte dizem aos menos afortunados. Essas mesmas pessoas de sorte acham que falar sobre a dor faz bem e não pensam duas vezes antes de dizer ‘ tente tocar a vida’ (...). Ela era cuidadosa. Deliberada. Frágil. Era como um antigo vaso de porcelana que tivesse se quebrado e sido restaurado com todo o cuidado. De perto, as cicatrizes eram visíveis e ela só podia ser manipulada com os toques mais delicados. Mas, de longe, do outro lado da sala, à luz ideal, parecia inteira” (Pág. 224).
  
*Obs: O caminho para casa foi um livro que me deu vontade de ter vários exemplares e presentear todas as pessoas que amo com eles. Não acho que possa existir elogio maior para um livro =)

Informações:
Título: O caminho para casa
Autora: Kristin Hannah
Gênero: Romance, Drama
Editora: Arqueiro
Páginas: 352

Borboletas azuis:



Agradecimentos à editora Arqueiro, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.


7 comentários:

thaila oliveira disse...

tenho esse livro mais ainda não tive coragem de ler! parece bem triste e ao mesmo tempo tão bom de ler! fico curiosa, mas não consigo ler e tenho medo de acabar no choro escandaloso!

Marli Carmen disse...

Oi, já tinha visto o livro antes. E me pareceu interessante, mas era como se faltava algo. Agora lendo sua resenha deu para compreender melhor a trama e eu gostei.
Beijocas e bom domingo.
http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

Adriana disse...

Essa é a segunda resenha que leio desse livro e ambas são super positivas! Adorei saber que é um livro que nos encanta, nos passa os verdadeiros valores da vida! Amo livro que me faz chorar e esse com certeza vai me levar as lagrimas, parabéns pela linda resenha, bjão!

Camila Bezerra disse...

Quando vi esse livro, confesso que não me animei muito, mas em todas as resenhas que tenho visto são tantos elogios que não tem como não conferir. Ele já está em minha lista de leitura. Adorei a resenha, como sempre. Parabéns!
beijos!

Camila – Meu Livro Cor-de-Rosa
http://meulivrocorderosa.blogspot.com.br/

Jheyscilane disse...

Uau, nunca li um livro em que os personagens crescem e evoluem (Pelo menos não me lembro) tem que ser bem construído então o enredo :) Fiquei curiosa para ler e no final a sua frase de que dá vontade de presentear todos de quem gosta com ele me convenceu
Os quotes escolhidos são muitos bons
Curiosidade me define agora *____*
Bjs

Manu Hitz disse...

Olha, sempre que via esse livro na blogosfera sentia um certo encantamento por ele, pela bela capa, o título sugestivo e a sinopse atraente.
Mas posso afirmar que foi a sua resenha emocionada e bonita que me fez querer o livro.
Adoro histórias que carreguem, além de um bom drama, tb certa dose de mistério e tb reflexões sobre a vida. Parece que este livro vai me proporcionar isso, além da comoção e das lágrimas, pq sou hiper sensível...
Adorei! Vai pra minha estante de desejados.

Jullyane Prado disse...

Ainda não li esse livro mas amo os livros da Krinstin, não tem como não se emocionar, já li jardim de inverno dela e simplesmente fascinante, em breve quero ler o caminho para casa, parabéns pela resenha e realmente tem livros que se o $ desse a gente saia distribuindo pra todo mundo!!!rsrs

Postar um comentário