Resenha: Os Impostores

4 comentário(s)

“É uma grande operação, para um grande crime, e você é o suspeito”.

Os Impostores, romance de estreia de Chris Pavone, é um livro genial, denso e com reviravoltas surpreendentes até a última página.
A maior característica do livro é justamente essa. Sempre que algo é revelado, em seguida vamos descobrir que se tratavam apenas de meias-verdades, e que há muito mais por trás de todas as armações.
Cada página prende, e cada capítulo nos pega de surpresa com alguma revelação, um diálogo ou cenas de ação muito bem descritas.
A narrativa de Pavone é rica em detalhes. Há quem não seja muito fã desse tipo de escrita, uma vez que a leitura tende a ser um pouco mais arrastada. Mas não tive problemas com isso, pois a trama em si me prendeu tanto, que eu não queria que acabasse, então, quanto mais detalhes, melhor.
Outra ressalva que devo fazer é que a narrativa tem alguns probleminhas de ritmo. Isso se deve aos inúmeros saltos temporais que ela dá. Embora, em muitas vezes esses saltos cronológicos estejam marcados, em outros momentos, como alguns saltos de horas ou semanas, só vamos descobrir quando já estamos lendo a cena, e isso pode confundir um pouco. De forma geral, a história se passada no “hoje” (sempre destacado) e “dois anos antes”, embora, como já dito, possa dar outros pequenos saltos sem aviso prévio. Apesar de gerar um pequeno problema de ritmo, essas mudanças bruscas também são importantes para prender a atenção do leitor, e eu particularmente não senti que minha leitura foi prejudicada.
O livro começa exatamente com uma cena de “hoje”, em que Kate, nossa protagonista, encontra sua amiga (não tão amiga assim), Julia, pelas ruas de Paris. As duas combinam um jantar para mais tarde, na companhia dos respectivos maridos.
Em seguida, voltamos dois anos no tempo para saber o que aconteceu na vida dos dois casais, que se conheceram em Luxemburgo, e dividiram momentos tensos e conflitantes, nos quais a verdade nunca era completamente exposta.
Kate vive uma vida aparentemente normal com o marido, Dexter, e, devido a uma proposta de emprego que ele recebeu, a família muda-se para a Europa.
Logo, eles conhecem Bill e Julia, um casal também norte-americano, vivendo em Luxemburgo, e todos se tornam amigos.
Mas Kate, que guarda segredos do passado, até do próprio marido, logo percebe que aquele outro casal não era o que as aparências diziam e que, provavelmente, eles não haviam se conhecido casualmente. Com o passar do tempo, até Dexter parece guardar segredos, e a vida do casal muda drasticamente, na medida em que os motivos da aproximação de Julia e Bill ficam aparentes – até que uma nova reviravolta surja na narrativa.
Muitos detalhes, descobertas e segredos compõem toda a trama, e falar sobre alguns deles aqui tiraria toda a surpresa do leitor.
As ressalvas acima mencionadas não foram suficientes para impedir que o livro entrasse para minha lista de favoritos. Embora possam ser mais prejudiciais de acordo com o gosto pessoal de cada um. O livro entra, sim, para os meus favoritos, e tenho certeza de que quem gosta de tramas complexas, detalhadas, repletas de surpresas e ação vai concordar comigo. Suspense, espionagem e crimes de colarinho branco são os ingredientes principais do excelente thriller Os Impostores, que não poderia ter título mais adequado.

Trecho: “A mulher está de braços abertos, num convite para um grande abraço no estilo americano. Corre até o fim do corredor, para o escritório revestido de madeira, com as paisagens da Torre Eiffel vista do alto. Usa a chave de bronze ornamentada para abrir a gaveta inferior da escrivaninha antiga. E por que não abraçá-la? São velhas amigas, afinal. Mais ou menos. Se houver alguém observando, talvez pareça suspeito essas duas pessoas não se abraçarem. Ou talvez pareça suspeito se o fizerem. Não demorou muito a desconfiar que estava sendo vigiada. E de que sempre fora, o tempo todo” (Pág. 9).

Informações:
Título: Os Impostores
Autor: Chris Pavone
Gênero: Suspense
Editora: Arqueiro
Páginas: 336

Borboletas azuis:




Agradecimentos à editora Arqueiro, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.

4 comentários:

Adriana disse...

Sou muito fã de livros assim, cheio de suspense, ação, intrigas e não me prejudica a leitura se o livro for extremamente cheio de detalhes, é como voce disse, se a historia é boa, prende a nossa atenção, quanto mais detalhes melhor!!! Fiquei curiosíssima pra saber mais sobre a historia, com certeza vou ler! Adorei sua resenha, bjão! :)

Jheyscilane disse...

Adoro livros com bastante reviravoltas :) Sinal que gostarei de Os Impostores. Costumo não me incomodar com muita informação então irei ler sem medo.

Beijos,
Jhey
www.passaporteliterario.com

Manu Hitz disse...

Amei, já está nos meus desejados! Adoro uma trama bem contada, bem amarrada e que deixa o leitor em dúvidas. AS passagens do tempo são interessantes para vermos o antes e o depois. Mas esse detalhe que vc citou de atrasar um pouco a leitura pela falta de informação sobre o avanço do tempo pode mesmo confundir. Mas nada que um autor habilidoso não possa lidar. Quero saber que mistérios são esses e o que vai acontecer no final.

Fernanda - Trilhas Culturais disse...

Acredito que somos parecidas no tipo de leitura porque essa resenha sua me interessou muito. Gosto de livros que tenham uma temática que envolve mistérios, espionagem, investigações...e detalhe: não conhecia esse livro. :)

Postar um comentário