Resenha: O Dom (Bruxos e Bruxas, livro 2)

3 comentário(s)

“Ele não aguenta mais essa incompetência, essa estupidez, essa quase captura tão recorrente de Wisteria Allgood e do Dom muito, muito poderoso que ela possui” (Pág. 26).

*Esta resenha é livre de spoilers sobre qualquer livro da série (tudo que é citado sobre o livro anterior é bem abrangente, para não estragar a leitura de ninguém).
Wisty e Whit, os irmãos bruxos que conhecemos no primeiro volume da série Bruxos e Bruxas, andaram, andaram, nadaram, voaram (literalmente), mas mal saíram do lugar.
Isso resume o segundo volume, O Dom. 
Aqui, continuamos com a leitura despretensiosa, feita para entreter mesmo, a linguagem jovem, a narrativa rápida e os capítulos extremamente curtos (com a narrativa em primeira pessoa alternada entre os irmãos). Tudo de que eu havia gostado em Bruxos e Bruxas (embora não tivesse amado) está de volta, mas, infelizmente, fiquei com a impressão de que na continuação temos apenas mais do mesmo.
E numa série, não fazer a trama se desenvolver ou apresentar crescimento algum não é uma coisa boa. Aliás, mais do mesmo nunca é bom, porque fica a sensação terrível da perda de tempo. Eu gosto bastante do trabalho de James Patterson (um dos autores mais lidos do mundo, diga-se de passagem) em algumas de suas séries de suspense e em seus romances, então, esperava mais deste segundo volume da série de distopia e fantasia juvenil do autor.
Não é que eu ache que a série em si seja uma perda de tempo, pelo contrário, eu simpatizo com alguns personagens e acho que há quem goste de livros mais rápidos e com linguajar bem jovem, entretanto, não há como deixar de notar que ao final de O Dom pouca coisa mudou efetivamente desde o final do livro anterior.
Whit e Wisty são dois irmãos adolescentes que descobriram terem poderes mágicos, e, além de estarem separados dos pais, passam a ser perseguidos pela Nova Ordem, o novo governo autoritário que se apossou de quase toda a terra (incluindo algumas outras dimensões), e que bane qualquer forma de diversão, expressão e arte, aprisiona jovens e busca por aqueles que possuem talentos especiais, assim como os irmãos protagonistas da trama.
Eles conhecem outros jovens, fazem parte de um grupo de resistência, e possuem cenas de luta e fuga contra oficiais da Nova Ordem e também contra o grande chefe, O Único Que É O Único. Ah, eles também buscam pelos pais e têm de aprender mais sobre os próprios poderes. Bem, isso tudo acontece no primeiro volume, e se repete no segundo, com algumas diferenças de cenário, alguns personagens novos... e um pouco de “algo semelhante a zumbis”, só pra variar.
Wisty também passa a conhecer outros talentos que possui (estamos falando de música), e isso a faz conhecer um garoto. Mas também não espere por romance em O Dom.
Referindo-se ao título, é bom salientar que a diferença entre o primeiro e o segundo volumes é que agora Wisty fica definitivamente mais importante que seu irmão, pois, aparentemente ela possui um Dom muito especial, que faz com que O Único queira capturá-la desesperadamente (embora, pra ser sincera, eu não chamaria isso de avanço na narrativa tampouco, e nem de novidade). 
Os personagens são carismáticos. A leitura passa muito rápido. A linguagem utilizada, repleta de gírias, numa tentativa extrema de soar “descolada” pode agradar aos mais jovens, que, afinal de contas, são o público alvo da obra. Não considero O Dom um livro ruim. Apenas o considero fraco e sem grandes novidades. A leitura do primeiro volume da série basta para sabermos tudo o que se passa com os irmãos Allgood, além de ser mais divertida. Resta saber se o terceiro volume irá corrigir os erros do segundo e se a série, como um todo, valerá a pena.

Trecho: “Num piscar de olhos, como uma praga de gafanhotos cobrindo a terra, milhares de soldados e policiais da Nova Ordem aparecem no topo do morro e vêm correndo até nós. Nos viramos para o outro lado, e vemos mais hordas de soldados vindo da água. Esse muro de maldade é impenetrável. Finalmente, O Único se dirige a nós de novo: – Essa história tem uma moral – ele afirma. – Muito se espera daqueles que recebem Dons. Pensem nisso lá na Terra das Sombras, bruxa e bruxo” (Pág. 270).

Informações:
Título: O Dom (Bruxos e Bruxas – volume 2)
Autores: James Patterson e Ned Rust
Gênero: Fantasia, Distopia
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288

Borboletas azuis:




Agradecimentos à editora Novo Conceito, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.

3 comentários:

Cris Aragão disse...

Eu tenho Bruxos e bruxas mas ainda não li e não estou muito animada com essa trilogia, eu ganhei o primeiro livro mas pelo que tenho lido é uma história vazia, e ddepois da sua resenha eu desanimei mais ainda, parece pura perda de tempo.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Joana Moreira disse...

estou louca por esse livro, e com sua resenha fiquei mais ansiosa

Postar um comentário