Resenha: Seis coisas impossíveis

3 comentário(s)

“Paro de ‘ficar na minha’ na sala e me exponho como o nerd que sou como se não houvesse amanhã”.

Sabe aquela fase complicada pela qual passamos no início da adolescência, repleta de problemas amorosos, dificuldades para se aceitar e ser aceito pelos colegas, problemas na família e de convivência com os pais, a primeira festa, o primeiro beijo, as mentiras? Pois é, Seis coisas impossíveis é exatamente sobre essa fase complicada, em que a gente cresce sem perceber e amadurece sem querer, levando patadas da vida e passando cambaleando por alguns de nossos dias mais desajustados. E é exatamente por isso que, provavelmente, todos irão se identificar com Seis coisas impossíveis em algum momento.
A capa já diz tudo: “Um choque de realidade de cada vez, por favor”. O simpático personagem Dan, narrador da história em primeira pessoa, além de estar passando por essa fase rebelde e difícil que é a juventude, recebe uma enxurrada de más notícias de uma só vez. Seu pai e sua mãe estão se divorciando; o pai é gay e irá deixá-los; eles estão falidos; ele e a mãe irão viver na casa que lhes foi deixada de herança, mas que pertence mesmo ao patrimônio histórico, e não é um exemplo de boa higiene ou modernidade; Dan terá de se mudar para uma escola pública e sofrer a terrível pressão de ser aluno novato; a nova vizinha, apesar de linda, é inalcançável e só o vê pagando micos.
Já que as coisas parecem tão ruins, ele faz uma lista com seis itens que julga serem impossíveis de se realizar, para ver como pode conseguir fazer com que aconteçam, ou ao menos tentar.
Em meio a bom humor, descontração, linguagem extremamente jovial e cenas engraçadas, o livro de Fiona Wood é uma agradável surpresa. Não espere por grandes revelações (as poucas surpresas guardadas pela trama são bastante previsíveis) ou por uma história extremamente elaborada. Mas esses não eram os objetivos do livro, obviamente, e seus reais propósitos são atendidos: entreter e fazer com que os jovens sintam-se ali representados, sabendo que não são os únicos a terem dificuldades quando a vida se torna mais complicada, e os não tão jovens assim, além de apreciarem uma história leve e divertida, certamente irão rir de si mesmos ao relembrar nostalgicamente todos os tropeços que deram na vida – e que anda dão.
O interessante da vida de Dan é que a própria vida parece usar ironia em seus dias. Por exemplo, a mãe dele, que precisa desesperadamente arrumar uma forma de ganhar dinheiro, resolve começar a fazer bolos de casamento. Porém, como ela acabou de sair de um divórcio complicado, tendo agora um ex-marido homossexual, ela não é muito fã de casamentos e acaba convencendo as clientes a não casarem. Após ajudar as mulheres a verem o quanto aquilo não valia a pena, ela estraga não apenas as uniões de muitos casais, como também impede que bolos sejam encomendados e que o dinheiro entre. Mais um problema com o qual Dan deve se preocupar.
A parente falecida que lhes deixou a casa de herança também deixou o simpático cãozinho Howard, que serve de boa companhia para Dan.
A vizinha inalcançável, Estelle, é uma boa personagem, bem trabalhada na história, e não há como não torcer para que ela note Dan e diminua a listinha que o jovem fez de coisas impossíveis (afinal, o primeiro item “impossível” seria beijá-la).
Além de lidar com tantos problemas de uma vez, Dan ainda precisa arrumar um emprego com urgência, já que as contas estão atrasadas e o lance de vender bolos de casamento, que sua mãe arrumou, não está indo muito bem, e também precisa parar de evitar o pai todas as vezes que ele liga. Ah, e lembrar-se de trazer Howard de volta pra casa quando eles saírem pra passear.
Assim, com bastante leveza e boas doses de sarcasmo, a narrativa de Seis coisas impossíveis é bastante divertida, e a leitura flui tão rapidamente que nem vemos passar.

Trecho: “Fotos do céu tiradas da mesma janela, que acaba servindo de moldura para as imagens. Cada uma delas é linda por si só, mas a imagem que elas formam juntas é demais. E me faz pensar como as coisas podem ser as mesmas, porém tão diferentes ao mesmo tempo. É como a minha vida – meu pai ainda é meu pai, mas agora ele é gay e foi embora. Minha mãe ainda é a mesma, mas só está 90% menos feliz do que era. Eu sou a mesma pessoa, mas mal posso me lembrar da pessoa que eu era. Principalmente o meu coração, que agora tem partes que eu nem sabia que existiam antes” (Pág. 139).

Informações:
Título: Seis coisas impossíveis
Autora: Fiona Wood
Gênero: Romance, literatura infantojuvenil
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272

Borboletas azuis:




Agradecimentos à editora Novo Conceito, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.

3 comentários:

Érika Santos disse...

ahh, que bom ver uma resenha deste livro, peguei ele para ler, mais ai fiquei fitando a capa, e desisti. Mas me animou, acho que vou ler ele. Beijos

http://erikarayanaheart.blogspot.com/

Fabiane Ribeiro disse...

Oi Érika! Dê uma chance sim, ele é bem fofinho. É ótimo principalmente quando queremos uma leitura mais leve.

Beijinhos!

Taty disse...

Ah estou louca pra ler esse livro mas meu exemplar não chega snif snif

Imagino que deva ser muito engraçado mesmo coitado do Dan

bjos

Postar um comentário