Resenha: Primeiro Amor

3 comentário(s)

“Isso é o suficiente, pensei. É tudo de que preciso. Por enquanto”.

Esta é uma resenha bem difícil de ser feita. Todas são, claro, mas acontece que agora estamos falando de um autor de que eu gosto bastante e cujos livros já me emocionaram e divertiram diversas vezes. É complicado julgar o trabalho de alguém que tanto se respeita, como eu respeito e aprecio o trabalho de James Patterson. Por outro lado, tenho que ser sincera nas resenhas e no meu comprometimento com os leitores e parceiros do blog.
Infelizmente, Primeiro Amor tinha tudo para ser um livro maravilhoso, mas acabou não me fisgando, e se tornou fraco para mim.
Uma história bastante clichê e extremamente previsível. Do tipo que você sabe o fim assim que começa a ler. Não necessariamente isso é algo ruim, desde que o desenvolvimento seja satisfatório. Porém, senti que faltou algo na narrativa como um todo, embora o livro seja, sim, capaz de emocionar em várias partes.
Nele, acompanhamos a trajetória de Alexandra (a Axi) e seu grande amigo Robinson.
Axi é uma jovem nerd e até mesmo careta, que, após tantos problemas familiares e até mesmo grandes perdas e tristezas, decide que quer cair na estrada, fugir de casa mesmo.
Claro que ela precisa de um cúmplice, e é aí que entra Robinson, um garoto que parecia ser seu exato oposto, mas que não pensa duas vezes antes de aceitar seu convite para sumirem no mundo.
Os personagens são bastante carismáticos e bem desenvolvidos, e vivem momentos bem divertidos, indo de um lugar para o outro em seu país.
Passando por diversas cidades e estados dos EUA, e conhecendo lugares de que apenas haviam ouvido falar, a dupla vai vivendo loucuras, como roubar veículos, por exemplo, e conhecendo muito de si mesmos.
Claro que o amor nasce e cresce entre eles, e o livro acaba ganhando um novo tom na narrativa e nos apresentando facetas mais maduras e emocionantes de sua trama.
Ou seja, de forma geral, o livro não é ruim. A história é cativante, mas peca em alguns pontos já ressaltados na resenha.
Ainda assim, é uma leitura que tem cativado vários leitores e que merece ser apreciada, pois ela pode atingir cada um de forma diferente.
Já li livros do autor de que gostei mais que este, mas também já li outros de que gostei menos. Portanto, fica a dica de uma leitura que consegue emocionar, divertir e entreter, mas que ainda assim também consegue decepcionar um pouco. E esta decepção, que pode ser extremamente subjetiva, não deve impedir ninguém de dar uma chance ao livro, pois potencial ele claramente tem.

Trecho: “Como foi que nossa viagem saiu tanto do controle depois que eu a planejara tão perfeitamente? E por que... eu não ligava mais? Me senti entorpecida por um instante. Incontrolável. Esse era o momento de fazer uma escolha de verdade sobre o resto de minha vida, não importava o quanto eu estava com medo de fazer essa escolha.  Encontrei forças e obriguei meus olhos a encontrarem os do policial. – Não vamos ser pegos – desafiei. Meu tom era suave, porém firme. Era uma promessa. Uma oração. Um desejo” (Pág. 103).


Informações:
Título: Primeiro Amor
Autores: James Patterson e Emily Raymond
Gênero: Romance
Editora: Novo Conceito
Páginas: 240

Borboletas azuis:




Agradecimentos à editora Novo Conceito, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.

3 comentários:

Jú disse...

Que pena q o livro não te agradou tanto assim, mas entendo como é... Eu sempre gostei de James Patterson, mas fiquei frustrada quando li bruxos e bruxas, que é bem fraco perto de outros livros do autor. Talvez eu dê uma chance a esse Primeiro Amor. Achei as ideias interessantes, e sua resenha está muito bem argumentada. beijinhos

Fabrica dos Convites disse...

Eu fiquei muito emocionada com o livro, me emocionei.
Bjs, Rose

Fabiane Ribeiro disse...

Olá, Rose e Jú,
obrigada pela visita, gostei muito de saber a opinião de vocês.
Beijos,
Fabi

Postar um comentário