Resenha - O Caso Rembrandt

5 comentário(s)

O Caso Rembrandt vai muito além do que se espera ao ler sua sinopse. A pintura de Rembrandt roubada e o homem morto para protegê-la são apenas o início de uma trama que, da premissa de ser um bom suspense, acaba se tornando uma grande narrativa histórica sobre espionagem.
Se você não gosta de livros que abordem fatos tristes sobre o Holocausto da II Guerra Mundial ou sobre os conflitos no Oriente Médio, dificilmente irá gostar de O Caso Rembrandt, visto que ele aborda de forma única os dois períodos históricos.
Gabriel Allon é um ex-espião e assassino israelense que, após sofrer um atentado, decide se aposentar e viver discretamente em um penhasco na Cornualha com a esposa.
Sendo Allon o célebre personagem criado pelo autor Daniel Silva, já é de se esperar que seus planos de aposentadoria não dêem muito certo.
Isherwood, um antigo amigo de suas épocas de plena ação, vai ao seu esconderijo pedir-lhe ajuda para encontrar uma pintura que fora recentemente roubada e cujo restaurador morrera tentando protegê-la. Trata-se do quadro (fictício) Retrato de uma jovem, um original Rembrandt.
Saindo de seu rápido isolamento, Allon volta à ativa e começa a investigar o quadro, ciente de que, para encontrá-lo, terá de obter respostas em seu passado, através da vida de seus antigos donos.
Assim, somos envolvidos, junto de Gabriel Allon, em uma triste história sobre a perseguição de judeus na Holanda, já que um dos últimos donos do Rembrandt havia sido morto em tal ocasião. Em seguida, já com muitas novas informações, Gabriel parte para Buenos Aires, para o Oriente Médio e, então, retorna à Europa, cheio de planos e com uma equipe formada pelos melhores profissionais no ramo da espionagem, uma vez que o roubo do quadro passou a ser questão de conflitos internacionais de interesse de vários países.
O livro tem momentos complexos e muitos personagens. Esse excesso de personagens, nomes e tramas acaba por ser um pouco confuso, mas, lendo-se com atenção, isso só torna o livro ainda mais rico, com abundantes fatos históricos e até alguns personagens não-fictícios.

“No outono de 1941, com o continente tomado pela guerra, Hitler e seus capangas mais antigos decidiram que os judeus deveriam ser exterminados. A Europa tinha que ser expurgada de leste a oeste, com Eichmann e seus ‘especialistas’ operando as alavancas da morte. Os saudáveis eram usados para trabalho escravo. Os outros – jovens demais, velhos, doentes e inválidos – eram imediatamente sujeitos a um ‘tratamento especial’. Para 9,5 milhões de judeus vivendo sob o domínio alemão direto ou indireto, foi uma catástrofe, um crime inimaginável” (Pág. 86).

Se as questões a respeito do Holocausto ganham espaço na trama, pode-se afirmar que as questões do Oriente Médio ganham ainda mais.
Infelizmente, para não estragar surpresas, não posso contar exatamente qual é o envolvimento do local com o quadro desaparecido de Rembrandt, mas posso garantir que para aqueles que gostam de informações históricas reais e de momentos eletrizantes de espionagem, a trama se torna ainda melhor quando o envolvimento com o Oriente Médio fica mais claro.
Nada disso é esperado quando se pega o livro nas mãos, aguardando uma busca incessante por um quadro desaparecido. Aqui fica meu alerta de que a história vai muito além disso – fato que agradará uns e desagradará outros. Trata-se de uma história forte, com pinceladas não-fictícias e cenas impecáveis.
O final é bem construído e, de certa forma, surpreendente. Podendo-se assim dizer que o autor norte-americano (apesar de o nome soar brasileiro) Daniel Silva tem um talento imenso para contar histórias de suspense e perseguição. Irei aguardar ansiosa pela oportunidade de conhecer mais de seus títulos.

Trecho: “Pensou que ele merecia, sim, ter seus assuntos mais íntimos invadidos, mas não pôde deixar de se sentir inquieta quanto aos ilimitados poderes de vigilância detidos pelos serviços de inteligência mundiais. A tecnologia móvel tinha dado aos governos a capacidade de monitorar as palavras, os e-mails e, até certo nível, mesmo os pensamentos dos cidadãos como num filme de ficção científica. O admirável mundo novo tinha chegado” (Pág. 212).


Informações:
Título: O Caso Rembrandt
Editora: Arqueiro
Autor: Daniel Silva
Gênero: Suspense
Páginas: 304
Para saber mais, clique aqui.

Borboletas azuis:



5 comentários:

Alice Aguiar disse...

adorei, fiquei afim de ler o livro viu

Sammy disse...

Não que eu não seja chegada a livros que abordem essas guerras, o que não curto muito é o drama que muitas vezes o autor nos passa com esses fatos. No entanto O Caso Rembrandt, me parece ser um livro repleto de suspense e misterios que vão deixar o leitor grudado do inicio ao fim =D

Bjs

daimaginacaoaescrita.com

Carolina Ribeiro disse...

de um tempo para cá tenho lido alguns livros de suspense e policial e tomei gosto pelo assunto :)
Com esse não foi diferente e gostei bastante da sua resenha :)

http://autoracarolinaribeiro.blogspot.com

Cris Aragão disse...

Parece muito interessante, gosto de livros policiais, com final surpreendente então nem se fala.

Fabiane Ribeiro disse...

Oi queridos,

esse livro é demais mesmo!
Quando realizarem a leitura, voltem e dividam suas opiniões comigo!

Beijoss
Fabi

Postar um comentário